Retratos da semana

 

Independente das previsões climáticas, o tempo sempre será o melhor remédio pra tudo. O seu trabalho primoroso faz com que as coisas voltem ou encontrem o seu lugar e assim, dia após dia, a gente segue a vida e vai aquietando o coração.

Durante o período que estive ausente do blog, voltei a ser uma GlamGirl e a última caixinha a chegar por aqui foi a edição de inverno. Também recebi mimos da Natura, sempre acompanhados de um cartão delicado e cheio de carinho, reforçando que a marca está presente em todas as etapas da minha história. Que parceria linda!

 

 

Na sexta-feira as mulheres da minha vida vieram pra um almoço que acabou se estendendo até a noite e rendeu muitos registros e gargalhadas. O que seria de mim sem elas?

Sábado foi dia de produzir o cenário pras fotos de um mês do sobrinho mais fofo do planeta e no domingo fizemos os cliques. Olha só como tá grandão esse menino! A sua chegada sempre vai ser lembrada por mim de uma maneira muito marcante, pois ao passo em que ele nascia, começava o meu renascimento. Isso significa que nós dois tivemos que aprender a crescer ao mesmo tempo e eu torço pra que – muito em breve – estejamos caminhando livres, a passos largos e cheios de alegria!

 

Para minha mãe

 

- Tá doendo muito, mainha.

 

Foi o que eu disse aos nove anos de idade, na sala fria de um hospital público com uma estrutura precária, ao acordar após uma cirurgia feita às pressas.

 

- Vamos rezar filha, que passa!

 

Em pé, ao lado da cama, ela segurou a minha mão e começamos a rezar baixinho. Imagino que as mães tenham uma espécie de senha prioritária na fila de atendimento com o pessoal lá de cima, pois em poucos minutos a dor aliviou e eu adormeci.

 

Foi um momento extremamente difícil – como tantos outros que enfrentamos juntas – e nem por um instante eu vi a minha mãe chorar, perder a calma ou demonstrar medo, embora hoje eu tenha consciência de que ela estava apavorada. Mas essa é a minha mãe: a pessoa capaz de equilibrar força e leveza como nenhuma outra.

A vida teimou muito, desde cedo, em roubar a sua doçura. Na infância, seu pai saiu de casa deixando a minha avó e sete filhos pequenos. Nunca olhou pra trás, e partiu dessa terra sem saber que a sua ausência em nada diminuiu o caráter daquela mulher, ou das suas crianças.

Aos trinta anos a minha mãe já não tinha pai nem mãe e vivia em um casamento difícil, mas sempre fez tudo o que podia para educar a mim e a minha irmã da maneira mais correta possível. Ela jamais permitiu que as adversidades da vida (e a sua teimosia em tornar tudo mais difícil de vez em quando) servissem de justificativa para as nossas falhas.

Todas as vezes que ela sentiu medo, precisou chorar escondido e pedir forças para seguir adiante, simplesmente porque não havia outro jeito. Era uma menina cuidando – da forma mais bonita que se possa imaginar – de outras duas.

 

Eu sinceramente não sei como ela deu conta. Eu não daria conta.

 

Mas toda vez que eu achei que não conseguiria, ela estava ao meu lado pra dizer – como se a sua história já não fosse prova suficiente – que tudo passa e que a gente consegue, como da primeira vez em que ela segurou a minha mão e rezamos juntas.

 

Nesses últimos dias, a vida quis testar novamente a nossa força, e bastava a presença dela para que a minha dor se tornasse mais suportável. Foram dias muito difíceis e ela foi fundamental para que eu conseguisse me reerguer.

Eu sei que ela acompanha o blog e há dias ela me pede para atualizá-lo, então fiz questão de dedicar essa volta a ela, pra reforçar o quanto eu a amo, respeito e admiro.

 

Obrigada, mainha. Saiba que tudo o que eu já fiz de bom nessa vida e tudo o que eu ainda hei de fazer, eu devo a você. Toda a nossa história, cada lágrima derramada, cada noite insone e cada obstáculo vencido estarão para sempre gravados na minha memória. Não como forma de lamento, mas para que eu saiba que sou capaz de seguir em frente e que eu reconheça o quanto a vida foi generosa comigo por permitir que você estivesse ao meu lado nestes momentos, me dando a honra de chamar de mãe aquela que é, sem dúvidas, o meu maior anjo da guarda.

 

Retratos da semana


 

Essa semana foi um boicote a minha tentativa de reduzir o consumo de doces! Além do aniversário do afilhado mais fofo do mundo – três aninhos já, gente! – outros pequenos também fizeram a festa. Não bastasse a alegria que esses encontros proporcionam,  a minha diversão começa bem antes, criando embalagens de presente personalizadas pra cada um deles :)

Falando em encontros, minha mãe e minha irmã vieram passar uma tarde comigo, o que sempre rende boas histórias. Minha irmã tem uma memória de elefante e relembra coisas que comprovam o quanto eu fui uma irmã mais velha pentelha e mandona, hahahahahahaha:) Demos muita risada e encerramos a noite com café e tapioca!

 

 

Na sexta-feira a gente fez uma faxina pra amenizar a bagunça da reforma e aí só um drink dos bons e música alta pra ajudar, né? Sábado teve mais música e mais drinks em uma baladinha com os amigos que me fez acordar acabada no domingo. Mas, cá pra nós, existe jeito melhor de relaxar pra começar uma nova semana?

 

Retratos da semana

Está comprovado: as meninas da Rishon adivinham os  meus pensamentos! Bastou eu comentar em casa que precisava repor a queratina dos meus cabelos e no outro dia recebi uma caixinha com o kit Carga Máxima de Queratina da Tutanat. Usei no dia seguinte (a aplicação é super prática) e fiquei encantada com a diferença! O cabelo fica incrivelmente macio e hidratado. Vou repetir a aplicação a cada 15 dias.

 

Além de ganhar presente, essa semana eu trabalhei um bocado, mergulhei em algumas atividades burocráticas que sempre tiram da gente muito mais tempo do que podemos prever e tive que administrar, diariamente, a bagunça causada pela reforma. Sinceramente, viver em uma obra é um desafio e tanto! Barulho, cheiro de tinta, poeira, bagunça e imprevistos as vezes me fazem querer sair correndo e nunca mais voltar, hahahahahahahahaha:)

 

 

Pra manter a sanidade, combinei com Dieggo que teríamos o final de semana livre. Saímos no sábado de manhã, voltamos pra almoçar e saímos novamente a tarde. Chegamos esgotados em casa à noite, capotamos e fracassamos no plano de acordar cedinho no domingo =(

Ao contrário disso, acordei bem indisposta. Dieggo fez um almocinho gostoso pra me animar, mas só mais tarde me dei conta de que estava doente. É isso que acontece quando a gente ignora os limites do próprio corpo, né?

Hoje acordei bem melhor e estou me policiando pra dar um passo de cada vez e evitar atropelos :) Que essa semana seja muito produtiva e, acima de tudo, saudável!

 

Retratos da semana

Comecei a semana passada de cabelinho novo! Faz tempo que eu tava adiando uma ida ao salão pra retocar as mechas, mas dia desses deixei de enrolar e agendei. Passei o dia inteiro lá e saí feliz da vida com a nova cor. Incrível como o cabelo muda até o astral da gente, né?

 

 

Em tempo: sempre faço o meu cabelo no Salão Dani Lanusa, confio nela de olhos fechados. Meu cabelo é super trabalhoso e difícil de descolorir (geralmente passo mais de cinco horas com descolorante nos fios) e não sei como Dani consegue, mas ele resiste a todo esse processo e ainda sai de lá macio e saudável.

O cabelo antigo ficou registrado nas fotografias 3×4, usadas também essa semana, em um dia dedicado a resolver as burocracias da vida adulta.

 

Boa notícia: a lavanderia ficou pronta! O cômodo, apesar de simples, ficou tão fofo! Vou fotografar cada cantinho e mostrar tudo em um post ainda essa semana, prometo!

 

 

Falando em decoração, resolvemos dar um charminho a um dos banheiros da casa, através de toques muito singelos de decoração, mas que fazem uma diferença grande no ambiente. Acho que a ideia pode inspirar muita gente, aguardem!

O trabalho com a reforma se estendeu até o final de semana, com pausas pra ouvir música boa e tomar um drink refrescante e a árdua missão de degustar os chocolates que chegaram por aqui durante a páscoa. O coelhinho foi generoso esse ano!