Diário da reforma: cama pet

Quem acompanha o blog sabe que, além de mim e do marido, há um terceiro morador da casa: Sivuca, um gatinho que está com a gente há seis anos, mesmo antes de casarmos.

Ele não é muito chegado a fotos, nem a estranhos. Infelizmente, foi muito mal tratado ainda bebê (antes de ser adotado por nós) e até hoje não recuperou por completo a fé na humanidade. É o felino mais amoroso e cheio de dengo que eu conheço, mas é muito rigoroso na hora de fazer amizades, hahahahahahahaha!

Todo mundo que convive com gatos sabe como é: eles escolhem os lugares mais estranhos pra dormir, geralmente amam as caixas de papelão ou locais de difícil acesso. O problema é que caixas de papelão não são lá muito bonitas, então a gente começou a pensar em uma caminha pra ele, que tivesse uma altura bacana (pra que ele se sinta seguro), fosse confortável e de fácil locomoção, caso a gente precise levar de um cômodo a outro da casa, por exemplo.

 

 

Dieggo desenhou a cama e colocou as mãos à obra. Ela é toda de madeira, com um acolchoado fofinho coberto com capa de camurça. Como Sivuca adora dormir com a cabeça apoiada em algum lugar, fiz uma almofadinha em formato de donut pra ele.

Todo esse capricho faz sentido, pois a cama é o local onde ele passa a maior parte do tempo. Aliás, parece que ele estava esperando por ela a vida toda! Assim que ficou pronta, ele subiu e deitou imediatamente.

Deve ter sido o jeito dele de dizer “até que enfim!”. =D

 

Aqui a cama foi feita pra um gatinho, mas tenho certeza de que faria sucesso entre os cachorros também!

 

Diário da reforma: o (re)começo

Lá em 2008 eu e Dieggo ficamos noivos e compramos uma casa, na intenção de reformá-la. Começamos a planejar a nova estrutura da casa, derrubando paredes daqui e de lá e apenas uma parede – umazinha só! – da estrutura antiga permaneceu, todo o resto foi ao chão.

A nossa casa começou a aparecer, foi ganhando cômodos, revestimentos, pintura… Hoje, sete anos depois, ela está finalmente pronta pra ser decorada. Ou seja, chegou a melhor parte!

A gente tá montando um cômodo por vez e eu já mostrei a cozinha aqui. Pela primeira vez nesses anos todos, estamos super engajados nesse projeto, decorando (ou redecorando) cada cômodo de acordo com a nossa necessidade – o que explica o fato de termos priorizado a cozinha.

Quase tudo aqui é feito por nós mesmos, dos grandes móveis à aplicação dos pequenos detalhes, e por isso as coisas às vezes caminham a passos lentos (fato compensado pela alegria em ver pronto algo feito com nossas mãos).

 

 

Um dos hobbies de Dieggo é a marcenaria, e ele tem usado todo o tempo livre pra projetar e executar os nossos móveis. A ideia é terceirizar apenas o necessário, ou o que tomaria muito tempo.

Eu decidi compartilhar esse processo aqui por dois motivos: tenho visto muita gente no mesmo mood, casando, reformando, decorando. Acho que isso pode inspirar e motivar essa turma a tirar seus projetos do papel também.

Além disso, o comprometimento de dividir os resultados com vocês nos leva a querer produzir mais, com ainda mais vontade, e assim a gente ganha uma motivação extra!

Pretendo fazer um post por semana, mostrando os avanços realizados do lado de cá. Espero que sejam muitos e cada vez maiores.

Torçam por nós!

 

Quando há festa dentro e fora da gente

Eu não planejei, mas aconteceu: tive a comemoração de aniversário mais longa (e feliz) da minha vida!

Soube na véspera que parte da família viria tomar café da manhã comigo, então tratei de comprar flores e pensar em um jeito bonitinho de recebê-los. Fui ao supermercado, passei na feira de flores e voltei pra casa com “carinho de mãe”, a flor preferida daquela que era uma das minhas pessoas preferidas no mundo: minha avó.

 

 

No meu dia 17 (sábado), acordei bem cedo e montei a mesa. Minha mãe logo apareceu com o bolo-surpresa mais lindo que eu já vi e com aquele tanto de amor que ela sempre carrega. Depois foram chegando os primos, os tios, os amigos, a comadre… E essa festa toda que começou – dentro e fora de mim – às oito horas da manhã, se estendeu até às duas da manhã seguinte.

Esse dia vai compor, pra sempre, um dos quadros mais bonitos da parede da minha memória e eu sou muito grata a todas as pessoas que tornaram isso possível, por meio das mais variadas demonstrações de carinho.

 

Em momentos assim, a gente se dá conta de que nada é tão valioso nessa vida quanto as relações genuínas construídas ao longo do tempo!

 

Décor: nossa cozinha

Não sei se esse projeto da cozinha causou mais ansiedade em mim ou em vocês, mas vamos abrir um espumante e comemorar, pois finalmente ela ficou pronta!

Cada pedacinho do cômodo foi pensado por nós e quase tudo foi executado por Dieggo. Pra quem ainda não sabe, ele é designer de móveis nas horas vagas e se encarregou do desenho e produção (sim, mão na massa mesmo!) de cada coisa. Marido prendado é outro nível, né? Hahahahahahahaha:)

 

 

De um lado da cozinha fica um móvel com geladeira, forno e micro-ondas. É nele também que eu guardo toda a louça da casa. O móvel é imenso e deu um trabalhão pra ficar pronto! Abaixo do forno tem um gavetão onde eu deixo todos os recipientes plásticos e um compartimento pra abrigar os paninhos de prato.

À esquerda desse móvel está o cantinho do café, com a nossa cafeteira, xícaras, algumas balinhas e flores. Na parte de baixo ficam dois bancos que podem ser usados quando chegar mais gente, e no dia a dia abrigam o quadrinho fofo que ganhei da Mi Casa Su Casa e a balança retrô que foi presente da cunhada e Dieggo pintou de amarelo pra ficar de acordo com a paleta que a gente escolheu. Na verdade, optamos por manter o preto e cinza com o amarelo como único ponto de cor.

 

 

O fogão fica no balcão aí no centro, onde a gente guarda mais um montão de coisas, inclusive os utensílios do dia a dia. A coifa (ilha) mistura alumínio com a base em vidro preto. Duas luminárias amarelas ficam sobre a mesa e vários pontos de luz (spots) foram espalhados estrategicamente no teto. As cadeiras ganharam almofadas pretas em couro.

Reparem na plaquinha do café: 265, em razão da nossa data de casamento, 26 de Maio <3

 

 

Essa é a parte mais legal! Toda a parede foi preenchida com o móvel, que se divide da seguinte forma: a adega – precisamos preenchê-la! – fica na parte de cima, com um compartimento com portinha no meio, pra abrigar coisas que não são usadas com tanta frequência.

Dieggo desenhou com giz (e ficou MUITO lindo) um trechinho da música de Nando Reis, que tem muito significado pra gente. Esse desenho foi feito na porta que dá acesso à dispensa. A TV fica no meio e tem sempre algum clip rolando por lá. Ao lado tem a estante célula com vários objetos fofinhos de decoração.

 

Acho que isso é tudo!

Agora partiremos pra decoração da sala, que acabou ganhando uma ideia nova e totalmente inusitada. Só espero que não demore tanto quanto a cozinha pra ficar pronta!

 

Uma ideia, uma parede, um adesivo.

A beleza, em todos os seus aspectos, agrada a gente. Nos faz bem ouvir uma música bonita, ler uma história bonita, estar em um lugar bonito. Mesmo considerando que o conceito de beleza é relativo e aquilo que agrada os meus olhos pode passar despercebido por meio mundo de gente.

 

Mas que tal aplicar o seu conceito de beleza, de forma bem simples e acessível, àquela parede sem graça que atualmente não te diz coisa alguma?

 

 

Não é preciso usar tinta, nem dispor de técnicas avançadas de decoração. Também não precisa de muita grana ou ferramentas complicadas. Basta lançar mão de papel (ou plástico) adesivo, definir um padrão – formas geométricas, corações, estrelas, nuvens – e colocar a mão na massa.

 

 

Vale misturar as cores ou usar tudo em um tom só. Vale aplicar em um cantinho da parede ou preencher ela inteira. Vale pra portas também!

É ideal pra quem mora em casa alugada ou quem não quer investir em pintura ou papel de parede pra dar personalidade ao ambiente.