Barulhinho bom: Clarice Falcão

 

“É tipo a Mallu Magalhães, só que feia.” Morri de rir quando a Clarice leu essa frase em um dos episódios da série O fantástico mundo de Gregório em que ela buscava críticas sobre si mesma na internet. A série era uma espécie de reality sobre a vida de Gregório Duvivier, em que Clarice participava atuando e como co-roteirista. Eu adorava a série e foi lá que eu conheci a Clarice (como atriz, humorista, cantora e compositora).

 

Volta e meia a Clarice aparecia com um violão na mão, cantando alguma composição bacana. Eu amava tudo, desde o tom da sua voz à maneira como ela sempre conseguia colocar uma pitada de humor (com muita inteligência) mesmo nas músicas mais românticas.

Não passou muito tempo e ela felizmente lançou um disco – Monomania – cheinho de barulhinhos bons! Sabe o tipo de música que sossega o coração da gente? Todas as músicas falam de amor, mas de um jeito muito bem humorado, diferente de tudo que a gente tá acostumado a ouvir.

Humor, aliás, é um ponto forte na vida de Clarice. Já viram como ela faz isso de forma despretenciosa em Porta dos Fundos?

 

Gostei tanto do disco que ainda não consegui decidir quais as minhas músicas preferidas! Ah, antes que eu esqueça: quer mais um motivo pra amar a Clarice? Ela é pernambucana (natural de Recife), ó!

 

Velha e louca? Que nada!

Assim que a Mallu Magalhães apareceu na mídia, em uma entrevista no Programa do Jô, há alguns anos, eu fiquei encantada com o talento daquela moleca. Pouco tempo depois ela lançou o primeiro CD, que tocava um bocado aqui em casa.

 

 

Imagina o tanto que eu fiquei surpresa ao ver o clipe novo da moça, onde ela aparece linda de tudo, com um visual (e uma voz) de causar inveja!

Adoro o jeito da Mallu, que costuma costurar as suas roupas e tem um estilo super romântico. Gosto tanto dessa influência sessentinha!

 

 

Além de linda e estilosa, o seu trabalho mais recente – Pitanga – é o tipo de disco que a gente não quer parar de ouvir. Sabe aquela música que bate no mesmo compasso do coração da gente?

 

 

Pelo visto o Marcelo Camelo tem feito muito bem à moça!

Barulhinho bom: Tiê

 

Meu primeiro contato com a Tiê foi através de uma matéria em uma revista. A moça falava do seu trabalho de um jeito tão interessante e com tanto carinho, que eu fiquei curiosa pra ouvir o que ela cantava.

 

 

Dona de uma voz incrivelmente doce, ela conseguiu transformar a canção “Você não vale nada” – cantada por todas as bandas de forró desse Brasil – em uma surpresa linda!

 

Vale à pena ouvir!

 

Barulhinho bom: Marcelo Jeneci

Sabe aquelas músicas que são capazes de melhorar o dia, o humor, o estado de espírito? Assim são as composições de Marcelo Jeneci, cantadas lindamente na companhia da Flávia, dona de uma voz que faz o coração da gente sorrir!

 

 

O moço tem mais de 10 anos de estrada e ainda que você nunca tenha ouvido falar dele, certamente já teve contato com seu trabalho. A música “Amado”, sucesso na voz de Vanessa da Mata, é uma das suas lindas composições.

 

Dá pra ouvir todas as músicas (lindas!) do CD dele aqui. Super recomendo o clique :)

 

 

O trechinho acima é de Felicidade, uma das minhas preferidas!