Para minha mãe

 

- Tá doendo muito, mainha.

 

Foi o que eu disse aos nove anos de idade, na sala fria de um hospital público com uma estrutura precária, ao acordar após uma cirurgia feita às pressas.

 

- Vamos rezar filha, que passa!

 

Em pé, ao lado da cama, ela segurou a minha mão e começamos a rezar baixinho. Imagino que as mães tenham uma espécie de senha prioritária na fila de atendimento com o pessoal lá de cima, pois em poucos minutos a dor aliviou e eu adormeci.

 

Foi um momento extremamente difícil – como tantos outros que enfrentamos juntas – e nem por um instante eu vi a minha mãe chorar, perder a calma ou demonstrar medo, embora hoje eu tenha consciência de que ela estava apavorada. Mas essa é a minha mãe: a pessoa capaz de equilibrar força e leveza como nenhuma outra.

A vida teimou muito, desde cedo, em roubar a sua doçura. Na infância, seu pai saiu de casa deixando a minha avó e sete filhos pequenos. Nunca olhou pra trás, e partiu dessa terra sem saber que a sua ausência em nada diminuiu o caráter daquela mulher, ou das suas crianças.

Aos trinta anos a minha mãe já não tinha pai nem mãe e vivia em um casamento difícil, mas sempre fez tudo o que podia para educar a mim e a minha irmã da maneira mais correta possível. Ela jamais permitiu que as adversidades da vida (e a sua teimosia em tornar tudo mais difícil de vez em quando) servissem de justificativa para as nossas falhas.

Todas as vezes que ela sentiu medo, precisou chorar escondido e pedir forças para seguir adiante, simplesmente porque não havia outro jeito. Era uma menina cuidando – da forma mais bonita que se possa imaginar – de outras duas.

 

Eu sinceramente não sei como ela deu conta. Eu não daria conta.

 

Mas toda vez que eu achei que não conseguiria, ela estava ao meu lado pra dizer – como se a sua história já não fosse prova suficiente – que tudo passa e que a gente consegue, como da primeira vez em que ela segurou a minha mão e rezamos juntas.

 

Nesses últimos dias, a vida quis testar novamente a nossa força, e bastava a presença dela para que a minha dor se tornasse mais suportável. Foram dias muito difíceis e ela foi fundamental para que eu conseguisse me reerguer.

Eu sei que ela acompanha o blog e há dias ela me pede para atualizá-lo, então fiz questão de dedicar essa volta a ela, pra reforçar o quanto eu a amo, respeito e admiro.

 

Obrigada, mainha. Saiba que tudo o que eu já fiz de bom nessa vida e tudo o que eu ainda hei de fazer, eu devo a você. Toda a nossa história, cada lágrima derramada, cada noite insone e cada obstáculo vencido estarão para sempre gravados na minha memória. Não como forma de lamento, mas para que eu saiba que sou capaz de seguir em frente e que eu reconheça o quanto a vida foi generosa comigo por permitir que você estivesse ao meu lado nestes momentos, me dando a honra de chamar de mãe aquela que é, sem dúvidas, o meu maior anjo da guarda.

 

8 Responses to “Para minha mãe”

  1. Fernanda disse:

    Tão bom ver post por aqui de novo, espero que as coisas tenham melhorado por aí, a vida é feita de dias bons e dias ruins, e nem sempre é fácil lidarmos com dias ruins, mas você é forte e tudo dará certo. Mãe é o ser mais especial que Deus poderia colocar no nosso caminho. Um beijo pra você e um super beijo para sua mainha

  2. Talita disse:

    Lindo depoimento! Deus não nos dá fardos que não possamos carregar… e se não podemos, ele coloca anjos no caminho que estarão ao seu lado.
    Toda alegria e bençãos do mundo na sua vida… que cada queda te fortaleça e ensine para seguir em frente. Um grande abraço e bem vinda novamente
    =)

  3. Debora disse:

    Que lindo texto, Lenyssa, temos algo em comum, mães maravilhosas! Que bom que há esse pontinho de paz para onde ir quando é necessário. Que bom que há gratidão e alegria em teu coração, apesar do mundo estar desse jeito torto. Que bom que há um exemplo de bem a ser seguido, tão pertinho de você. Torço por você! Bênçãos e bênçãos e muita paz. Um abraço.

    • Lenyssa Nunes disse:

      Que bom saber que temos mais alguma coisa em comum, Debora!
      Você é iluminada e também merece uma vida cheia de paz e amor.
      Torço muito por você!
      Beijo!

  4. Aline Ribeiro disse:

    Primeira vez que leio seu blog, e a primeira vez que um post me fez derramar lágrimas, que homenagem linda… Sua mãe com certeza ficou muito orgulhosa né. Parabéns!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>