Sobre pausas e reflexões

Vocês, que não são bobas nem nada, devem ter percebido que o ritmo deste humilde blog anda um pouco lento nos últimos dias. Eu poderia justificar a falta de posts com a falta de tempo, de inspiração ou de uma internet mais veloz. Mas, pra ser bem sincera, o que me faltou mesmo foi vontade. 

Vontade de acessar a internet, de falar (ou ler) sobre moda, de comprar roupa nova, de sair de casa. Eu comecei o ano feliz da vida, acelerei demais, corri tanto que me perdi de mim mesma. De tão tensa, tive outra crise no ombro e admito que sentir uma dor constante, 24 horas por dia, 7 dias por semana, é uma das coisas que mais me irrita no mundo. Eu bem que poderia me entupir de analgésicos, mas se eu não tava dando conta do excesso de trabalho em minha sã consciência, imagina dopada? 

Além disso, o único remédio que alivia a dor de verdade faz mal pro único rim que eu tenho. Sim, nasci assim, com uns excessos ali e umas faltas acolá.  

 

[Dieggo adora dizer aos amigos que eu nasci com dois úteros, um rim e sem coração. Mas a parte do coração é mentira, tá?] 

 

Daí que esse coração andava meio apertado, e eu não fazia ideia do motivo. Apesar dos inúmeros esforços pra tocar a vida como de costume e ser gentil com quem cruzasse o meu caminho, eu andava bem angustiada. No fundo, eu achei que se não desse atenção a esse peso sobre o meu corpo, ele acabaria se dissolvendo. Tolice a minha, né?

 
 

Embora não faça terapia, sou boa em autoanálise. Uma vida inteira de noites insones tem lá suas vantagens. Um carnaval sem folia também. O mundo inteiro parou por causa do feriado, e eu fiquei em stand by por alguns dias. 

Só então percebi que, ultimamente, me dediquei demais ao trabalho (como se ele fosse a minha vida), me importei demais com as opiniões alheias (como se elas fossem me trazer o equilíbrio, ó que pensamento bobo!), e quis preencher cada segundo e cada espaço dos meus dias com coisas que são importantes sim, mas que podem esperar. 

 

Eu tava tão cheia de tudo que comecei a sentir falta de mim, e isso desencadeou uma sensação estranhamente incômoda.  

 

Liguei pra minha mãe algumas vezes, só pra ouvir que tava tudo bem e que ela me ama mais que tudo nessa vida – minha mãe sempre diz isso quando a gente se fala (às vezes ela liga só pra me lembrar), e eu nunca deixo ela encerrar uma ligação sem me dar a sua benção. 

Falei com minha irmã pelo whatsapp (que me respondia lá das ladeiras de Olinda) só pra saber que tava tudo bem, dizer o quanto eu a amo e ler o mesmo de volta. 

Me dei conta de que não estava tratando Dieggo como ele merece, e então tratei de corrigir o erro, de dizer (e mostrar) o quanto eu o amo e como ele é importante em minha vida. 

Depois eu passei um tempo sozinha, li, ouvi música e parei pra refletir sobre quem eu sou e o que me trouxe até aqui. E então, na quarta-feira de cinzas, enquanto todo mundo voltava da folia, comecei uma festa dentro de mim. Meu coração tava tão cheio de amor e a minha alma tava tão leve que eu me sentia capaz de voar. Se você, que teve paciência pra ler esse texto até aqui, já se sentiu assim alguma vez na vida, sabe bem do que eu tô falando. 

A felicidade que chega sem dar aviso, o amor que toma conta, a paz que envolve. Sem motivos específicos, ou, melhor dizendo, com um excelente motivo: eu fiz as pazes comigo! 

Foi preciso explodir de felicidade, me perder e me encontrar, pra que eu me desse conta do quanto sou abençoada e do quanto a vida é boa se a gente está em paz com o mundo e se preocupa apenas com o que tem dentro, sem dar tanta importância aos barulhos externos. 

 

E agora que eu voltei a ser quem sou, voltemos a nossa programação normal. Até que eu me perca (e me encontre outra vez).

 

10 Responses to “Sobre pausas e reflexões”

  1. Sandra Marques de Paiva disse:

    Adorei o texto, coisa linda. Eu ando a passar por uma fase semelhante, um vazio dentro de mim que não tem explicação, ando perdida e ainda não me encontrei…. preciso dos momentos solitários pq não suporte falar com ninguém, acho todo mundo tolo, falso, malvado!!! Como passa isto?

    • Lenyssa Nunes disse:

      Brigada, Sandra!
      Volta e meia tenho vontade de postar mais textos por aqui, é libertador!
      O papel (ou, no caso, a tela em branco) não julga a gente, aceita tudo, qualquer coisa.

      Quanto ao teu coração apertado, infelizmente não tenho receita, mas te aconselho a fazer o que eu fiz: livrar-se do que te faz mal. Pessoas, hábitos, ideias e pensamentos.

      “As vezes os nossos vazios só podem ser preenchidos de nós mesmos”. Adoro essa frase, faz todo sentido!

      Leia um bom livro (tem gente que escreve alimento pra alma da gente), escute músicas boas (têm o mesmo efeito dos livros) e busque as pequenas coisas que te fazem feliz. No fim as contas, é bem isso: faz as pazes contigo!

      Eu espero que essa angústia se dissolva e que você floresça, cheia de felicidade, como eu floresci.

      Um abraço bem apertado pra você!

  2. Priscila Guimarães disse:

    Acho q me encontrei em teu texto ??

    • Lenyssa Nunes disse:

      Na parte boa, espero!
      A vida é assim mesmo, né? Tudo ao mesmo tempo agora, e é normal a gente se perder.
      Bom é ter pra onde voltar, se encontrar de novo!
      Beijo, Pri!
      =)

  3. Paloma Farias disse:

    Muita coragem para desabafar em público.
    Aplausos.

    Nunca vivi nada parecido. Mais acredito nessa força interior que temos e quando nos damos o tempo necessário encontramos essa paz e felicidade que existe em todos nós.

    Feliz por sua felicidade.

    bjssssssssssssssssss

  4. Nadia disse:

    Quem não tem essas fases? Seu texto foi lindo, super
    humano! Força aí e bola pra frente! Bjo

  5. Lu disse:

    Hoje me emocionei aqui.
    Que texto mais lindo, mais profundo e vindo do coração.
    A falta com a qual vc nasceu é compensada pela meiguice, alegria e um lindo sorriso; quer melhor coisa que gente com energias boas? Tão boas que a gente sente mesmo longe.
    Que tudo fique bem, em sua alma, sua vida. Que suas angustias se dissolvam e que felicidade sem fim chegue a você!
    Bjssss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>